Política

Bolsonaro minimiza inflação e afirma que País sofre ameaça de 'comunização'

Da Redação ·
Receba notícias no seu WhatsApp!
Participe dos grupos do TNOnline

O presidente Jair Bolsonaro (PL) afirmou, durante pronunciamento na 48ª Edição da Expoingá, em Maringá (PR), que o mundo todo sofre com aumento do preço de combustíveis e alimentos. Mas, apesar da disparada dos preços e da inflação, minimizou os efeitos no Brasil. "Apesar de a inflação estar alta no Brasil, bem como a questão dos combustíveis, na nossa terra os efeitos são menores", disse.

continua após publicidade

A inflação oficial no País alcançou 1,06% em abril, a mais acentuada para o mês desde 1996, segundo os dados do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quarta-feira, 11.

Para um público ligado ao agronegócio e de aliados, Bolsonaro também citou o processo de "comunização" pelo qual, segundo ele, o País pode passar. E, novamente, usou como exemplo a Venezuela. "Vocês sabem que pior que uma ameaça externa é uma ameaça interna de comunização do nosso País. Nós não chegaremos à situação que vive atualmente a Venezuela", disse.

continua após publicidade

"O outro lado quer exatamente o diferente de nós. Nós defendemos a família, somos contra o aborto, favoráveis ao armamento para o cidadão de bem, somos contra a ideologia de gênero, somos pela liberdade da nossa economia. E somos, acima de tudo, pela nossa liberdade de expressão."

No discurso, Bolsonaro não citou a troca no Ministério das Minas e Energia, com a demissão de Bento Albuquerque e a nomeação de Adolfo Sachsida. Ele foi a Maringá, oficialmente, para assinar um contrato de início de obras em um trecho de 13 quilômetros da BR-376, no entorno da cidade paranaense. O ministro interino da Infraestrutura, Bruno Eustáquio, e o líder do governo na Câmara, deputado Ricardo Barros, o acompanharam.

Bolsonaro voltou a repetir o discurso que adota desde o início da pandemia e culpou governadores pela crise econômica. "O que estamos vivendo no momento é fruto de uma política equivocada adotada por muitos governadores na pandemia. Aquela história de fechar tudo."

O presidente afirmou que o mundo não sobrevive sem o agronegócio brasileiro. "Vocês garantem segurança alimentar para mais de 1 bilhão de pessoas mundo afora". E concluiu o pronunciamento "imitando" um berrante ao microfone.