Cotidiano

Cientistas revelam o que precisamos fazer para sobreviver após o apocalipse

Da Redação ·
Podemos enviar nossa consciência para robôs, como os cientistas sugerem - Fonte da foto: AFP
Podemos enviar nossa consciência para robôs, como os cientistas sugerem - Fonte da foto: AFP

A expansão do Sol tornará nosso planeta inabitável no futuro, mas ainda há chances de a humanidade sobreviver. A comunidade científica crê que em 500 milhões de anos, a expansão do Sol deixará nosso planeta completamente inabitável, com condições semelhantes às de quando era jovem.Os astrofísicos Michael Hahn e Daniel Wolf Savin, da Universidade de Columbia explicam como a vida na terra declinará e possíveis maneiras de evitar o fim do mundo em um artigo chamado "Como sobreviver ao apocalipse".

Partindo do princípio de que a humanidade seja capaz de evitar um conflito nuclear e aniquile a si mesma, nossa espécie ainda possui cerca de 500 milhões de anos restantes no planeta.Entretanto, antes de nossa espécie ser completamente extinta, nossos descendentes podem mover a órbita do planeta para que se mantenha distante do Sol, evitando que seja danificado.

Outra maneira de sobreviver seria transferir nossa consciência para máquinas, opção que se encontra além de nossas atuais capacidades, mas que, segundo os pesquisadores, será possível no futuro.O agente causador da destruição da Terra é a expansão do Sol, o qual acabará derretendo completamente a Terra em 6 bilhões de anos.

Entretanto, nosso planeta já estará inabitável muito antes disso, uma vez que outro efeito da expansão de nossa estrela é a diminuição do dióxido de carbono em nossa atmosfera, composto vital para organismos que realizam fotossíntese, e cuja falta resultará em falta de oxigênio na atmosfera, bem como desequilíbrio nas cadeias alimentares, ou, em outras palavras, a aniquilação da vida.

continua após publicidade