Apucarana

Pais protestam em frente a escola de garoto morto após briga

Ação pede justiça pela morte do adolescente, mais segurança e saída do diretor

Da Redação ·
Receba notícias no seu WhatsApp!
Participe dos grupos do TNOnline

Um grupo formado por familiares e amigos do adolescente Alekson Ricardo Kongeski, morto após ser agredido, fizeram um protesto na tarde desta segunda-feira (27), em frente ao Colégio Cívico-Militar Estadual Padre José Canale em Apucarana, no norte do Paraná. A ação, realizada quase uma semana após a morte do garoto, pede justiça pela morte do adolescente, mais segurança para os alunos da instituição, mudança na carga horária e também a saída do diretor da instituição de ensino Roberto Carlos de Oliveira, o Canela.

continua após publicidade

Dezenas de pessoas foram até a porta principal do colégio, portando faixas com os dizeres ‘Justiça Pelo Alekson, reinvindicação para o horário de saída às 17:15 e mais segurança nas escolas’. Cartazes também foram fixados na fachada da escola com pedidos de ‘Fora Canela’ e ‘Justiça’. Como trata-se de uma instituição cívico-militar, a carga horária é estendida, com o término da 6ª aula às 18h30.

continua após publicidade

 

 Protesto reuniu dezenas de pessoas em frente ao colégio fonte: Silvia Vilarinho/Tnonline
Protesto reuniu dezenas de pessoas em frente ao colégio

"O dia que precisou de polícia aqui não tinha. Depois que um adolescente morre, o Colégio Cívico Militar coloca policial aqui. No dia ele (o diretor) disse que não podia fazer nada porque do portão para dentro era responsabilidade dele e do portão para fora não era. Pedimos o fim do horário estendido até 18h30 e a saída dele”, disse a mãe de Alekson, Aline Fernanda.

 

 Cartazes também foram fixados na fachada da escola com pedidos de ‘Fora Canela’ e ‘Justiça’. fonte: Silvia Vilarinho/Tnonline
Cartazes também foram fixados na fachada da escola com pedidos de ‘Fora Canela’ e ‘Justiça’.
continua após publicidade

Moradora do bairro, Eliane Aparecida de Castro, também participou do protesto. Ela relatou que tem um filho, de 16 anos, que estuda na escola e, como mãe, decidiu apoiar a ação que pede justiça pela morte do menino e também mudanças no horário e alteração na direção. Eliane ainda reclama de outros problemas registrados na instituição de ensino que causam extrema preocupação. “Tem o caso de um professor que assediou uma aluna e que continua dando aula normalmente. Queremos mais segurança e também a mudança de horário”, afirma.

 

Pais protestam em frente a escola de garoto morto após briga fonte: Silvia Vilarinho/Tnonline

PETIÇÃO

continua após publicidade

A Associação dos Moradores do Jardim Ponta Grossa está colhendo assinaturas para um abaixo-assinado que pede o fim do horário estendido.  “Pedimos a mudança no horário porque as crianças estão saindo muito tarde, e no inverno às 18h30 já é noite e muitas crianças moram em outros bairros. Então é muito tarde para crianças saírem da escola”, disse o presidente da associação, João Lino.

Lino lamenta a morte do adolescente, uma vez que mora no bairro há muitos anos e conhece a família de Alekson desde a infância. “Todos estamos sentindo essa tragédia, todos estamos sofrendo. E estamos fazendo esse abaixo assinado para isso não acontecer mais. Acho que a saída às 17h15 está bom demais. A gente precisa que mude esse horário urgente”, disse.

continua após publicidade

O presidente da associação acredita que uma fatalidade dessa não poderia acontecer em um colégio cívico militar. 

 

 A morte precoce do adolescente Alekson Ricardo Kongeski, de 13 anos, causou grande comoção fonte: Arquivo pessoal
A morte precoce do adolescente Alekson Ricardo Kongeski, de 13 anos, causou grande comoção

ENTENDA O CASO

continua após publicidade

A morte precoce do adolescente Alekson Ricardo Kongeski, de 13 anos, causou grande comoção. O garoto se envolveu em uma briga com outros jovens no começo da noite de terça-feira (21/06)

A briga entre o garoto e um outro adolescente teria começado por volta das 18h15, após a saída do Colégio. Após a briga entre os dois, pelo menos outros cinco jovens também teriam envolvimento na confusão.

Testemunhas contaram que tentaram separar a briga, porém, os os garotos correram atrás do menino.

Ainda de acordo com testemunhas, após a briga, Alekson cai no chão desacordado e os outros garotos correram. Profissionais que atuam na UBS Maria do Café prestaram os primeiros socorros até a chegada dos Bombeiros e Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu);

Por quase 50 minutos os socorristas tentaram reanimar o garoto, que foi levado para a ambulância e morreu a caminho do Hospital da Providência.

GoogleNews

Siga o TNOnline no Google News