ESPORTES

Clubes fazem lobby, mas CBF proíbe a venda de mando no Brasileiro

PEDRO IVO ALMEIDA

RIO DE JANEIRO, RJ (UOL/FOLHAPRESS) - A CBF não irá mudar as decisões tomadas no conselho técnico para o Campeonato Brasileiro desta temporada. Apesar do lobby de alguns clubes nos bastidores, a entidade respeitará a decisão do encontro realizado em fevereiro: venda de mando de campo está vetada para o torneio que começa em maio e uso de gramado sintético está proibido a partir do Brasileiro de 2018.

Votada no conselho, as decisões desagradaram especialmente Flamengo, Atlético-PR e Fluminense. Diante da situação adversa, as três diretorias começaram a se movimentar para reverter a questão.

O diretor de competições da CBF, Manoel Flores, explicou a decisão à reportagem. Segundo ele, não é possível reverter tal questão no regulamento a menos de 45 dias do início de uma competição.

Evitando um desgaste jurídico com clubes que não concordariam especialmente com a mudança sobre o veto a mando de campo, a Confederação decidiu tirar o assunto da "pauta" e manter as decisões do conselho técnico.

Com a decisão mantida, os clubes não poderão atuar fora dos seus estados – de olho em um maior faturamento –, como vinham fazendo nos últimos anos.

Em 2016, pressionada, a CBF proibiu a prática nas rodadas finais. Clubes de menor porte vendiam os mandos e acabavam atuando em centros que permitiam maior torcida a clubes como o Flamengo.

Discuta aqui

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site.
Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Topo