Cotidiano

Em ato no Congresso, artistas cobram proteção ao meio ambiente e povos indígenas

Da Redação ·
Receba notícias no seu WhatsApp!
Participe dos grupos do TNOnline

Dezenas de artistas e líderes de organizações da sociedade civil realizaram uma manifestação contra o pacote de projetos que flexibilizam leis ambientais. O "Ato pela Terra contra o pacote da destruição", liderado pelo cantor e compositor Caetano Veloso, incluiu a entrega de um documento à ministra do Supremo Tribunal Federal, Rosa Weber, e uma carta ao presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG).

continua após publicidade

No documento entregue ao STF, mais de 40 artistas pedem que a atenção da corte para projetos que miram a abertura das terras indígenas para todo tipo de empreendimento e restrições para novas demarcações, flexibilização de licenciamento ambiental, anistia para grileiros de terras na Amazônia e ampliação no uso de agrotóxicos.

"Qualquer um desses projetos, se aprovado, levará ao acirramento da guerra socioambiental, com quadros irreversíveis de degradação ambiental e de violações de direitos sociais. A sua transformação em lei gerará mais judicialização, incluindo a via direta junto ao STF, que se tornou a única arena possível nos tempos atuais para se lutar contra retrocessos nesses temas", afirma o documento. "Dada a gravidade desse cenário, pedimos muita atenção das senhoras Ministras e dos senhores Ministros com relação a essas proposições legislativas."

continua após publicidade

No Senado, Caetano Veloso entregou uma carta ao presidente Rodrigo Pacheco, na qual critica um pacote de projetos de lei que está em tramitação no Congresso e que alteram profundamente a legislação ambiental e a proteção às terras indígenas.

No documento, Caetano, que está em Brasília com mais 40 artistas, pede a Pacheco que "nenhuma proposta seja colocada em votação até que esteja alinhada com o que diz a ciência, observando as demandas e necessidades das populações tradicionais e do campo e à luz da emergência climática que vivemos".

Ao Estadão, a atriz Letícia Sabatella, que participou do ato, chamou a atenção para as necessidades básicas de cidadania que devem envolver essas mudanças, passando pelas consultas e debates necessários. "Não podemos colocar o nosso País nas mãos de quem não tem essa consciência, não tem a capacidade de escuta, de quem só tem arrogância ao lidar com o meio ambiente, com nossos povos originários e seus conhecimentos milenares. Disso não se faz um projeto de país soberano", afirmou.

continua após publicidade

Sabatella lembrou que temas característicos do Brasil, como a preservação ambiental, passaram a ser vistos como obstáculos ao seu desenvolvimento. "O Brasil pode ser exemplo para o mundo inteiro e a gente sabe disso, mas é preciso ter esse reconhecimento, de onde vivemos e como precisamos preservar e cuidar. A ganância e o lucro imediato são altamente destrutivos ao meio ambiente. A valorização de ser brasileiro parte de reconhecer o que nós temos e aquilo que é verdadeiro e sagrado para a nossa existência."

A cantora Maria Gadú disse ao Estadão que a mobilização, com união da sociedade, movimentos sociais e artistas, representa a resposta que o meio político, muitas vezes, ignora. "Essa mobilização mostra que todos nós, juntos, como nação, temos que pegar essa manche de volta e colocar o País no lugar onde ele deve estar, que é com a floresta em pé, pessoas saudáveis, seus indígenas com suas terras demarcadas e todos os direitos respeitados."

Dentro do Congresso, enquanto Rodrigo Pacheco prometia diálogo e debate sobre as propostas, o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), se reunia na tarde com lideranças partidárias para discutir a votação, em plenário, da tramitação em regime de urgência do projeto de lei 191/2000, que permite a exploração industrial e mineral em terras indígenas.

Outros projetos polêmicos já foram aprovados pelo plenário da Câmara e agora estão na mesa de Rodrigo Pacheco, no Senado. É o caso do projeto dos agrotóxicos, da regularização fundiária e do licenciamento ambiental.